Portugués

Os 30 principais países produtores de aço do mundo em 2023

A China, a Índia, o Japão, os Estados Unidos e a Rússia são os principais países produtores de aço do mundo em 2023, de acordo com a Worldsteel Association.A sua produção será a seguinte, medida em milhões de toneladas:

  • China: 1.019,1
  • Índia: 140,7.
  • Japão: 87,0.
  • Estados Unidos: 81,4.
  • Rússia: 76,0.

Segundo a Gerdau do Brasil, um dos maiores desafios do mercado internacional em 2023 foi o aumento das exportações chinesas de aço para o mercado transoceânico. Com produção estável e demanda mais fraca do setor imobiliário, as exportações totais subiram 37%, para 93 milhões de toneladas, o maior nível desde 2016. No entanto, as margens das fábricas mantiveram-se negativas durante a maior parte do ano devido aos custos das matérias-primas e aos preços mais baixos do aço. 

Países produtores de aço

A indústria siderúrgica mundial é composta por centenas de instalações de produção de aço e está dividida em duas categorias principais, de acordo com o método de produção utilizado: siderurgias integradas e siderurgias não integradas, por vezes designadas por «mini-usinas». Por um lado, as siderurgias integradas produzem normalmente aço a partir de óxido de ferro, que é extraído do minério de ferro fundido em altos-fornos, e refinam o ferro em aço, utilizando principalmente fornos de oxigénio básico ou, mais raramente, fornos de arco elétrico. Por outro lado, as siderurgias não integradas produzem aço através da fusão de sucata de aço em fornos de arco elétrico, que por vezes é complementada com outros metais, como o ferro de redução direta ou o ferro comprimido a quente.

Brasil

No resto do mundo, a produção de aço diminuiu 7,4% na União Europeia (126,3 Mt) e 1,7% na América do Norte (109,6Mt). O Brasil continuou a exportar placas e ferro-gusa para os EUA e México, sem a Rússia como fornecedor, mas a produção do país caiu 6,5% (31,9 Mt), levando a produção sul-americana a cair 5,7% (41,5Mt). Por outro lado, o crescimento da Índia atingiu os dois dígitos com um aumento de 11,8% (140,2 Mt) e a Rússia teve o segundo aumento mais relevante, fechando o ano com 75,8 Mt (+5,6%). De acordo com os dados da CRU publicados em janeiro de 2024, o consumo aparente de produtos siderúrgicos laminados a quente enfrentou um pequeno aumento de 0,7% em relação ao ano anterior, e o consumo aumentou 1,7% no mundo, excluindo a China.