Portugués

México diminui as suas importações de fertilizantes

O México diminuiu as suas importações de fertilizantes em 2023 e no primeiro trimestre de 2024, de acordo com dados do Ministério da Economia.

Em termos homólogos, estas compras ao estrangeiro caíram a uma taxa anual de 30% em 2023, para 2 459 milhões de dólares.

O México é um importante concorrente nas exportações de várias frutas e legumes e produz grandes quantidades de milho, maioritariamente para consumo interno.

Importações de fertilizantes

A nível mundial, o México foi o oitavo maior importador de fertilizantes em 2022, os últimos dados disponíveis.

No mesmo ano, o México atingiu um recorde nas suas compras externas destes materiais.

Quer sejam orgânicos ou inorgânicos, estes produtos são adicionados ao solo para melhorar as suas propriedades físicas, químicas e biológicas, a fim de promover o crescimento das plantas. 

Quais são os nutrientes que fornecem? Nitrogénio, potássio, fósforo, micronutrientes, entre outros.

Em 2023, o Brasil foi o maior importador mundial de fertilizantes, com compras externas de 14.661 milhões de dólares.

Alimentos

A CVR Partners relata que a demanda global de fertilizantes é impulsionada principalmente pela demanda e preços dos cereais, que por sua vez são impulsionados pelo crescimento populacional, terras agrícolas per capita, mudanças na dieta alimentar no mundo em desenvolvimento e aumento do consumo de biocombustíveis. 

De acordo com a IFA, entre 1976 e 2021, a procura mundial de fertilizantes aumentará 2% por ano. 

Um estudo financiado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) prevê que a utilização mundial de fertilizantes, compostos por azoto, fosfato e potássio, aumente 2% até 2024 para satisfazer a procura mundial de alimentos. 

As populações dos países em desenvolvimento estão a adotar dietas mais proteicas à medida que os seus rendimentos aumentam, e este consumo exige mais cereais para a alimentação animal. 

A título de exemplo, estima-se que a produção chinesa de trigo e cereais tenha aumentado 42% entre 2011 e 2023, mas não conseguiu acompanhar o aumento da procura, o que levou a China a aumentar as suas importações de trigo e cereais em mais de 1.167% durante o mesmo período, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).