[themoneytizer id="51423-1"]
Portugués

Transição energética: hidrogénio verde e cobalto

De 2025 a 2030, a transição energética trará investimentos globais acumulados em mineração de 1,7 biliões de dólares.

A CNUCED salientou que este facto representa uma grande oportunidade para países como a República Democrática do Congo, que em 2022 representava 68% da produção mundial de minas de cobalto e 48% dos recursos mundiais de cobalto.

Em vez de contribuir para a «maldição dos recursos», a extração destes recursos deve estar ligada a cadeias de valor nacionais ou regionais para produtos de base mineral.

O recente acordo entre a República Democrática do Congo e a Zâmbia para o fabrico conjunto de precursores de baterias para automóveis eléctricos é um exemplo do que os países em desenvolvimento dependentes de produtos de base (PDDPB) poderiam fazer.

De acordo com a CNUCED, os esforços para uma transição energética dependerão do ponto de partida de cada país, incluindo a sua capacidade de investimento, bem como as capacidades existentes.

Enquanto os países tecnologicamente avançados podem dispor dos recursos e das capacidades necessárias para introduzir tecnologias renováveis, os países de baixos rendimentos podem dar prioridade ao acesso a energia limpa ou a tecnologias de cozinha, ao mesmo tempo que criam capacidades para desenvolver energias renováveis, como as indústrias eólica ou solar.

Transição energética

Simultaneamente, os PDDPB exportadores de combustíveis podem, numa primeira fase, passar do petróleo e do carvão para o gás natural, ao mesmo tempo que avançam para fontes de energia mais ecológicas.

Os esforços de descarbonização do Chile, por exemplo, foram complementados por medidas para distribuir os benefícios de forma mais equitativa entre a população.

O país, que depende fortemente da mineração de cobre, tem um enorme potencial de energia renovável e vem explorando maneiras de interromper gradualmente o uso de combustíveis fósseis em favor da energia solar e eólica.

O presidente da UNCTAD disse ainda que o Chile tem a ambição de se tornar um exportador de hidrogénio verde.

Para apoiar estes objectivos, o Plano Nacional de Energia do país prevê planos de formação e capacitação inclusivos para trabalhadores novos e existentes e, em coordenação com instituições de investigação, está a trabalhar na formação e certificação de 27.000 pessoas até 2030.

 

Redacción Opportimes

Publicidad
loading...
[themoneytizer id="51423-1"]
Mostrar más
Botón volver arriba