Portugués

Os indícios de desglobalização são fracos: OMC

A Organização Mundial do Comércio (OMC) considerou que os indícios de desglobalização são fracos em termos de comércio internacional.

As tensões geopolíticas estão a intensificar-se, aumentando o receio de que factores regionais e políticos possam reorientar o comércio.

«Embora tenham sido observadas alterações no padrão do comércio, os indícios de uma maior desglobalização continuam a ser fracos», afirmou a OMC.

Um indicador da extensão das cadeias de abastecimento mundiais é a percentagem de produtos intermédios no comércio mundial.

Essa quota caiu abaixo dos 50% em 2023, mas a mudança não é enorme (48,5% no primeiro semestre do ano, em comparação com 51% nos três anos anteriores).

Desglobalização 

Dados recentes revelam alterações na distribuição do comércio que podem ter motivações políticas, embora as causas sejam incertas.Por exemplo, o comércio total de peças e componentes dos EUA com países afins (de acordo com os padrões de votação da ONU) caiu de 77% em 2019 para 73% em 2020, e subiu novamente para 77% em 2023.Estas alterações podem refletir tensões geopolíticas, mas também podem indicar um regresso aos padrões comerciais anteriores à pandemia. Estes e outros indicadores de fragmentação serão acompanhados de perto pela OMC no futuro.A OMC também analisou mais de perto os potenciais produtos «estranguladores», ou seja, os produtos que estão altamente concentrados no comércio internacional e que parecem estar a travar os esforços de diversificação das empresas em todo o mundo.

Restrições à exportação

De acordo com o Relatório sobre o Comércio Mundial 2023 da OMC, embora os choques possam ter um forte impacto na disponibilidade destes produtos, apenas alguns produtos considerados essenciais, de acordo com esta lista relativamente longa, são afectados.O número de restrições à exportação introduzidas pelos membros da OMC aumentou significativamente desde 2020, primeiro no contexto da pandemia e, mais recentemente, devido à guerra na Ucrânia e à crise de segurança alimentar.