[themoneytizer id="51423-1"]
Portugués

Construção de fábricas nos Estados Unidos

Embora se preveja que o sector externo seja menos dinâmico do que em 2023, o México beneficiará da construção de fábricas nos Estados Unidos em 2024, segundo as previsões do Ministério das Finanças e do Crédito Público (SHCP).

De acordo com as suas perspectivas, os sectores económicos mexicanos com maior integração comercial com os Estados Unidos poderão beneficiar do impulso do investimento estrangeiro e da indústria transformadora, que registou um aumento da construção de fábricas dentro e fora do país. 

Assim, entre 2024 e 2025, novas fábricas começarão a operar em plena capacidade, o que implica a criação de novas cadeias de valor envolvendo empresas mexicanas.

Fábricas de produção

Até ao final de 2024, o SHCP estima que o crescimento da atividade económica mexicana continuará a ter um bom desempenho, impulsionado pelo desempenho do mercado interno, que continuará a beneficiar do crescimento do emprego e dos efeitos permanentes das despesas em infra-estruturas e proteção social. 

Para 2025, a estimativa de crescimento é mantida em relação à publicada nos Critérios Gerais de Política Económica 2024, num intervalo entre 2,0 e 3,0 por cento. 

Esta projeção considera um crescimento sustentado da procura interna, em que o emprego e a economia doméstica darão um contributo importante para o crescimento nacional. 

Além disso, as novas tendências globais em matéria de tecnologia e comércio, juntamente com novas cadeias de produção geradas pela deslocalização de empresas, permitirão ao México posicionar-se na cadeia de abastecimento global, beneficiando tanto os sectores tradicionalmente integrados com os Estados Unidos como os novos sectores que se desenvolvem sob o novo paradigma.

Bens duradouros

A produção industrial nos Estados Unidos registou um crescimento anual de 0,2% em 2023, após ter crescido 3,4% em 2022. 

Este menor dinamismo foi explicado por uma contração anual de 0,6% no setor da indústria transformadora, que representa uma quota de 75,2% do total. 

Os principais contribuintes para o declínio da indústria transformadora foram o grupo de bens não duradouros, como alimentos, bebidas e tabaco, produtos químicos e papel, que registaram declínios anuais de 2,2, 4,5 e 6,6%, respetivamente. 

Embora a produção de bens duradouros tenha abrandado, sectores importantes como os produtos de madeira, a maquinaria e o mobiliário registaram uma contração em relação ao ano anterior. 

 

Redacción Opportimes

Publicidad
loading...
[themoneytizer id="51423-1"]
Mostrar más
Botón volver arriba